Home Notícias Papel das novas mídias foi discussão de trilhas temáticas durante o Muticom

Papel das novas mídias foi discussão de trilhas temáticas durante o Muticom

por Marcus Tullius

Na manhã desta sexta-feira, segundo dia do Muticom, trilhas temáticas concluíram os trabalhos. Os participantes escolheram as trilhas por afinidade com a abordagem.

 

Trilha Democracia 

Com o tema “Comunicação e Religião”, o professor Deodato Rafael Libanio abordou a construção de uma imagem pré-concebida de uma autoridade religiosa, como pastor ou padre, e como isso interfere na mensagem comunicacional.
O professor afirmou que, em nossa sociedade, a imagem é importante, e por isso, muitas vezes ela se torna uma barreira. Ele argumentou que nós nos acostumamos com uma imagem formal e politizada, em razão das novas mídias, e aqueles que não se encaixam nesse padrão têm dificuldade de se comunicar, pois não conseguem transmitir a mensagem para o receptor.

Deodato comentou que quebrar essa barreira é importante, pois temos que nos livrar das concepções definidas pela imagem e conversar com as pessoas para que possamos tirar nossas próprias conclusões. Além disso, devemos ter cuidado na hora de lidar com o outro, aprender em diálogo e ter coesão e coerência com o que foi proposto. Ele destacou ainda que precisamos de tempo e prática para que a transformação da comunicação na igreja seja feita.

 

Trilha Comunicação 

As transformações ocorridas na Igreja Católica com a revolução digital foram questões abordadas na palestra “O Verbo se Fez Rede”, proferida pelo professor Dr. Moisés Sbardelotto. Durante sua fala, o professor apresentou o papel das redes sociais para a construção de um consciente coletivo religioso, presente, aberto e honesto, que conecte e favoreça a todos.

Sua explanação também abordou as transformações sociais decorrentes das tecnologias digitais e como a instituição católica utiliza essas tecnologias para se tornar mais presente entre os seus fiéis. “A Igreja precisa aprender a cultura digital, para entender e fazer a evangelização, ressalta Moisés.

Ele ainda indicou o modo como os papas utilizaram as tecnologias para conversar com os fiéis católicos, além de explicar como se organizam os órgãos de comunicação da comunidade cristã. A presença de autoridades católicas em redes sociais como: Twitter, Facebook e Instagram, e da plataforma rede mundial de oração também foram analisadas. Moisés Sbardelotto ressaltou as necessidades comunicacionais, visto que as reformas são necessárias para manter a comunicação mais próxima e democratizada.

Pedro Duarte e Isabela Silva, acadêmicos da PUC Goiás, sob orientação da professora Sabrina Moreira

Você pode gostar