Home Notícias Programa de Direitos Humanos da PUC Goiás explica sua atuação na comunidade em trilha de Responsabilidade Social

Programa de Direitos Humanos da PUC Goiás explica sua atuação na comunidade em trilha de Responsabilidade Social

por Marcus Tullius

No terceiro dia do 11°Muticom, pela manhã, palestra explicou o Programa de Direitos Humanos (PDH), o qual faz parte da extensão da Pontifícia Católica de Goiás. Palestra ministrada pela mestre em Comunicação e coordenadora do programa, Núbia Simão, contou como o programa nasceu a partir do desejo dos estudantes do Centro Acadêmico de Direito, em 1983. Naquele período de discussões políticas acirradas, o grupo se reunia para discutir sobre os direitos humanos.

Núbia comentou sobre os projetos que o programa realiza:

 ProAfro – que trabalha com a preservação da cultura afrodescendente, realização de seminários, rodas de conversa e acompanhamento de igualdade racial;
 Pimep – projeto que visa a estudos de violência contra mulher e promove atendimentos psicológicos em parceria com voluntários do curso de psicologia;
 PEC – projeto de educação de jovens e adultos que não sabem ler e escrever para promover a cidadania; Bombeiros Mirins, cuja realização é uma parceria com o Corpo de Bombeiros.

O PDH tem um núcleo de informação ampliado na educação em direitos de humanos e grupos de estudos com pesquisas em cidadania digital, os quais geram produções científicas. Além disso, há a parceria com a Secretaria Municipal de Educação de Goiânia (SME), pela qual são ministrados cursos com o tema Mídia e Violência, para professores da rede municipal em parceria também com a prefeitura.

Núbia explica que dentro do programa há uma Comissão de Comunicação, que atua na promoção da divulgação dos direitos humanos. Segundo a coordenadora, a comunicação é um fator importante nos direitos humanos. A equipe de comunicação cria materiais audiovisuais para campanha de direitos humanos; divulga eventos do programa, além de fazer a sua cobertura jornalística. Núbia reafirma os objetivos do programa, entre os quais está “educar para conscientização dos direitos humanos e desmistificar que os direitos humanos só servem para os presos, mas é para todos, pois todos tem
direito a vida”.

O perfil do público atendido pelas atividades do programa inclui acadêmicos e professores dos cursos da PUC Goiás e outras universidades, a comunidade, representantes de conselhos e entidades governamentais e não governamentais. A coordenadora acredita que o programa pode ajudar no fortalecimento do diálogo entre escolas, e a alargar a visão dos partícipes sobre o mundo e sobre si. “O programa tem compromisso, diretamente, com a vida”, enfatizou Núbia.

A coordenadora da comunidade Nossa Senhora da Aparecida, Maria Oliveira Souza, gostou da palestra. Segundo ela, “temos que nos organizar para conscientizar as outras pessoas a lutar pelos seus direitos, mesmo sendo um trabalho de formiguinha”. Segundo ela, este trabalho é importante e crucial nesse momento do país.

Texto: Mariana Jardim, acadêmica de jornalismo da PUC Goiás, sob orientação da professora Lara Guerreiro | Fotos: Ricardo Luís Gomes

Você pode gostar